Cláudio Castanho, pai de Klara Castanho, que revelou ter engravidado após um estupro e dado o bebê para adoção, se manifestou nas redes sociais após o desabafo da atriz, divulgado na noite do sábado (26).

Nos stories do Instagram, ele compartilhou uma foto ao lado da filha e de Lucas Castanho, caçula da família, em que eles apareciam brincando juntos em uma praia. "Estarei com vocês até o fim da minha vida", garantiu o pai na legenda da imagem.

Nas redes sociais, a atriz recebeu o apoio de famosas como Taís Araújo, Luísa Sonza, Astrid Fontenelle, Ana Hikari e Flávia Alessandra, entre outras. "Meu amor, eu te mandei uma mensagem no privado, mas me achei na obrigação de vir te acolher publicamente, já que a violência que sofreu e sua dor tornaram-se públicas sem que fosse um desejo seu, sem que fosse garantido o seu direito à privacidade", escreveu Taís Araújo. "Te conheço desde criança, conheço sua mãe, sua família e tenho muito respeito e amor por vocês. Se cuide, se proteja e se preserve. Todo meu amor e respeito."

Paolla Oliveira, que viveu a mãe de Klara na novela "Amor à Vida", de 2013, respondeu à publicação dizendo que estará sempre apoiando a atriz: "Filhota, você é muito especial e eu estarei sempre ao seu lado. Você é maior do que qualquer um ou uma que queria se promover ou promover o ódio com seu nome. Amo você. Sinta meu abraço. Sinta-se acolhida por todos que te respeitam. É o que importa sempre: focar no respeito, amor e na justiça".

Entenda o caso

A atriz Klara Castanho, 21, divulgou neste sábado em seu Instagram uma carta aberta em que relata um estupro sofrido e o processo de adoção do bebê resultado da violência.

No texto, Klara relata que não estava em sua cidade, nem próxima de amigos e familiares. Inicialmente, não teria percebido que, do estupro, resultou uma gravidez indesejada. Em outro trecho, ela fala sobre o processo de manter a gestação e realizar a adoção legal do bebê, conforme prevê a lei.

"A entrega foi protegida e em sigilo. Ser pai/e ou mãe não depende tão somente da condição econômico-financeira, mas da capacidade de cuidar. Ao reconhecer a minha incapacidade de exercer esse cuidado, eu optei por essa entrega consciente e que deveria ser segura", escreveu.

Klara também fala que, enquanto ainda estava no hospital, foi abordada por um colunista que sabia da gravidez, mas não do estupro. Poucos dias após o parto, ela disse ter sido procurada por outro colunista.

O que motivou a divulgação da carta nesse momento, segundo a atriz, foi a repercussão de "pessoas conspirando e criando versões sobre uma violência repulsiva e de um trauma" que ela sofreu.

A polêmica teria sido causada após Antonia Fontenelle, 49, expor a situação que seria da atriz, mas sem revelar o nome. Ela comentava o caso de uma criança de 11 anos que realizou um aborto nesta semana em decorrência de um estupro.

Antonia criticou a quem chamou de "atriz da Globo, ela tem 21 anos de idade", e disse que as informações que tinha sobre o caso eram de um colunista, que contou a ela sobre a situação. "Na hora de pegar uma criança, parir e jogar no mundo, que não sabe nem o que vai acontecer, aí não tem religião certa, aí pode", disse.

"Não ouse me ligar chorando! Eu não vou dar seu nome porque eu não tenho esse direito, mas não ouse me ligar chorando, porque eu posso perder a paciência e dar seu nome", afirmou Antonia em transmissão no YouTube.

Yahoo, com informações da Folhapress

Deixe seu Comentário